Precisamos levar o veganismo mais a sério

Eu estudei 8 anos em um colégio adventista, apesar de não acompanhar a religião, meus pais acreditavam ser uma boa escola e lá me matricularam. Aos 7 anos só estranhei o fato de não poder usar brincos na escola, com o tempo comecei a achar aquilo um insulto à minha liberdade de expressão, eu não podia pintar as unhas, passar batom e nem pintar o cabelo! Comecei a me revoltar com a escola e como rebeldia usava um colarzinho por debaixo da camiseta, a revoltada do oitava série. Enquanto eu passava por minha teimosia de criança e meus surtos adolescentes, eu aprendia, inconscientemente, a mais importante lição: cuidar da saúde e respeitar todas as formas de vida.

Os adventistas acreditam que cuidar de si, do corpo, mente e espírito e da natureza, sem vaidade, é a melhor forma de manifestar a presença divina em nossa vida, e ouvir e viver religiosamente todos os dias essa filosofia de vida, minha mente foi educada da melhor maneira possível, mesmo eu não me dando conta disso. Mais tarde aos 22 anos de idade, eu decidi que me tornaria vegetariana, resolvi enfim manifestar aquilo que meu espírito absorveu durante aqueles 8 anos, os 8 anos mais importantes no desenvolvimento de um ser humano.

Depois de muito lutar por essa transformação, numa época em que vegetariano era sinônimo de ET, depois de algumas recaídas e muita baboseira ouvida, eu venci a barreira do preconceito, do anormal e me tornei vegana. Hoje, aos 32 anos, afirmo que foi a melhor decisão da minha vida. Mas por que contei toda essa história? Porque o veganismo não nasce de um dia pro outro, ele não se manifesta por moda, ou “fitnismo”, o veganismo é uma escolha muito difícil de se tomar, é preciso coragem, dedicação e paciência, porque muitos vão te questionar, muitos vão te contrariar e até te infernizar com argumentos sem fundamento, mas quando ele se manifesta em você, seja porque você tem uma relação muito bonita com os animais, ou porque foi fortemente influenciado por alguém importante pra você, ou se sentiu comovido com um comportamento altruísta em sua vida, seja porque você sabe a dor que causa em outro ser para usar uma maquiagem ou comer naquele restaurante gourmet, ou mesmo naquele viciante fast food, a verdade é que qualquer e todos os motivos, se te incomodam, se te tiram do comodismo, é porque o veganismo de alguma forma se manifestou em você.

Mas é fácil não levá-lo a sério, é fácil ignorar uma reportagem sobre o assunto, é fácil fazer piadas com o colega de trabalho que parou de comer carne, é fácil deixar pra amanhã. Leve a sério por você, leve a sério pelos seus filhos, leve a sério pelo planeta, leve a sério pela dor e descaso com os animais, pelo especismo, leve a sério pela sua saúde, pelo excesso de CO2 emitido na atmosfera, pela poluição dos mares e pela extinção da vida marinha, leve a sério pelo colesterol no sangue de crianças com menos de 3 anos e adultos de 20, leve a sério pelo crescimento exacerbado das grandes indústrias alimentícias, pela corrupção em nosso país, manifestada pela indústria da carne, leve a sério por uma vida mais leve, serena pra você e pra todos que merecem respirar e viver como você, nenhuma vida é mais importante que a sua, quando você entender isso, você entenderá o sentido de tudo.

 

Texto: Lara Zanatta
Vegana, chef e idealizadora do Panela Alternativa

Deixe seu comentário