“Qual o maior motivo pelo qual você se tornou vegano/vegetariano ou passou a considerar uma alimentação sem proteína animal? Pelos animais ou pela saúde?”

Fizemos essa pergunta em nosso instagram na semana passada e 82% das pessoas que participaram da pesquisa responderam que o motivo foi pelos animais, enquanto 18% afirmaram ter sido pela saúde.

Comparo a compaixão dos humanos à expansão da consciência das gerações. A cada ano que passa, mais e mais jovens recusam uma alimentação à base de proteína animal por tomarem como verdade a senciência dos animais. Com a evolução e expansão do planeta Terra, notamos o crescimento de preservação e destruição, que se tornam cada vez mais necessárias para a evolução humana, pois aprendemos através do contraste, e a partir dele, decidimos por livre arbítrio qual caminho queremos seguir.

Vivemos na terceira dimensão, num planeta denso, de provas e expiações e através dele, encontramos uma forma de ascender e enxergar através da lama, do destrutivo. Não é de se espantar que nos sentimos tão atraídos pelo efêmero, a profundidade nos assusta, pois ao chegar nela só nos resta uma direção: à luz, à sabedoria. Ficar na superfície é mais cômodo, é confortável, mas com o passar do tempo, sentimos um vazio repentino de anos e anos de anestesia. E estar consciente, automaticamente nos faz deixar pra trás tudo que conhecíamos como verdade, como certo.

Considerar a destruição parte da vida e aceitá-la é o primeiro passo para querer modificá-la, de não querer estar inserido nela, não fazer parte, pois a natureza, os seres humanos e os animais são um todo, unificado, e por mais que seja difícil de entender isso, é fato. Destrua uma floresta e sofreremos com o aquecimento global; seja conivente, mate ou maltrate um animal e sua alma nunca mais será a mesma; descuide de sua saúde como um todo e você se tornará amargo, e por consequência irá atrair o destrutivo, para afirmar sua amargura, pois encontramos prazer na reclamação, quando a essência está adormecida.

Acredito que nos tornamos veganos ou vegetarianos pela ascensão da compaixão pelos animais, porque como ocidentais, procuramos no externo o amor que não encontramos em nós mesmos, e a partir dessa compaixão, dessa expansão da consciência, passamos a olhar para dentro, a querer uma saúde melhor, relacionamentos melhores, rotinas mais agradáveis, passamos a nos responsabilizar pelo nosso lixo, pelo descaso e destruição da natureza. Portanto, seja qual foi sua resposta, estamos nos beneficiando como um todo, pois toda ação em direção da preservação e do afeto só pode resultar em benfeitorias, pois a melhor forma de preservar e ajudar ao demais, sejam eles animais, vegetais ou humanos, é desenvolvendo cuidado e afeição por si mesmo.

Texto: Lara Zanatta
Vegana, culinarista e idealizadora do Panela Alternativa

Deixe seu comentário